Skip to main content
Prefeitura de Olinda
Blog Observatório de Olinda

PROMOTORA DIZ QUE AS 04 MORTES NA CHUVA PODERIAM TER SIDO EVITADAS

As quatro mortes ocorridas em Olinda poderiam ter sido evitadas. A Prefeitura tem que destinar recursos do orçamento para contenção de barreiras. Infelizmente está fazendo só o paliativo ao colocar lonas, mas isso não é a solução”. A afirmação foi feita pela promotora de Justiça do Meio Ambiente, Belize Câmara, durante audiência pública ocorrida ontem (29), na Câmara de Vereadores de Olinda.

Infelizmente, a maioria dos vereadores olindenses não está preocupado com os deslizamentos de barreiras (com mortes), nem alagamentos provocados pelo transbordamento de canais. À audiência pública só contou com as presenças de Jorge Federal (PR), Jesuíno Araújo (PSDB) e Irmão Biá (PSDB). Os outros 14 parlamentares não compareceram.

De acordo com a promotora, 60% das áreas de risco no município estão localizadas em Águas Compridas. “Olinda tem a maior densidade demográfica – quantidade de habitantes por quilômetro quadrado – de Pernambuco e a quinta do Brasil, e um déficit habitacional enorme”, disse.

MEDO – O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), desde 2017, ajuizou cinco ações contra a Prefeitura de Olinda, sendo três neste ano, solicitando que sejam feitas intervenções imediatas em áreas com risco de desabamento. “Não temos políticas públicas e estamos vivendo uma situação de medo”, denunciou o dirigente da União das Associações e Conselhos de Moradores em Olinda, Jean Pierre.

Os alagamentos do Canal do Fragoso, que se repetem desde 2016, nos bairros de Jardim Fragoso, Casa Caiada, Jardim Atlântico e Bairro Novo, também foram objeto de debate durante a audiência pública.

Um relatório técnico elaborado pela Gerência Ministerial de Arquitetura e Engenharia do MPPE identificou que o serviço de alargamento do canal do Rio Fragoso estava sendo executado em uma seção intermediária e no mesmo sentido do fluxo da água, o que contraria as boas práticas da engenharia hidráulica, que prezam por iniciar as obras sempre no final do corpo de água e seguir alargando em direção à nascente.

“Em razão dos fatos novos constatados após o registro de grandes inundações no município de Olinda, em junho de 2016, o MPPE entrou com uma ação judicial para suspender a obra do Rio Fragoso”, garantiu a promotora Belize Câmara. Segundo ela, “a obra do canal começou sem um estudo completo de impacto ambiental. Foram programadas 2 mil desapropriações e 1.000 árvores frutíferas foram arrancadas da bacia do Rio Fragoso”.

Fonte: Olinda Hoje

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: