Skip to main content

EUGÊNIA – CANDIDATA A VEREADORA DO PSOL – LANÇA MANIFESTO PELA CIDADE

A pré-candidata a vereadora pelo PSOL, Eugênia Lima, lança hoje (04), um manifesto – ainda por meio das redes sociais, em função da pandemia – sobre os desafios da cidade.

Em artigo enviado ao Observatório de Olinda, a mestra em Desenvolvimento Urbano antecipa um pouco do que será a ação virtual nas redes sociais do partido. Leia abaixo o texto completo.

OLINDA QUE A GENTE QUER

Se a cidade não está bem para alguns, ela não está bem para todas e todos. Uma cidade só pode ser próspera, viva e feliz se for pra todo mundo. E a nossa Marim dos Caetés não vai nada bem. E não é de agora. Para o filósofo francês Henri Lefebvre a cidade como ela se encontra hoje é uma consequência histórica da produção social do espaço. Ou seja, a disposição do espaço urbano reflete as relações conflitantes de poder e território, de capital e trabalho, da sua gestão e planejamento urbano. Faz muito tempo que Olinda carece de um diagnóstico qualificado dos seus problemas e de iniciativa política para construir um projeto para a cidade.

É possível produzir a Olinda que gente quer, na verdade, é necessário produzi-la desta outra forma. Não podemos mais dissociar as questões ambientais das sociais, das mudanças climáticas globais a falta de esgotamento sanitário. As questões urbanas são latentes para a construção de uma sociedade mais democrática e participativa, mais sustentável e igualitária. A democracia se faz onde o povo está, nas ruas, nos bairros, nas comunidades, e é a partir destes territórios e para eles que devemos pensar a cidade.

Os olindenses devem se realizar em Olinda. É direito ter acesso a todos os serviços básicos e oportunidades que uma cidade possa oferecer- educação, saúde, trabalho, lazer, cultura, moradia, segurança. Como cidade irmã do Recife – uma das maiores capitais do Brasil,- e estando na Região Metropolitana Olinda precisar ser autônoma. Busque seu desenvolvimento sustentável, não esquecendo de suas raízes históricas e ancestralidade, que respeite seu patrimônio histórico e riqueza ambiental além da sua cultura. Que busque a igualdade de gênero, que combata o racismo. Fortalecendo e empoderando mulheres, maioria na cidade, muitas vezes mães solos, negras, chefes de família, discriminadas, com baixos salários, à margem de políticas públicas para fortalecimento psicológico, financeiro e afetivo. É necessário que elas também tenham o direito a nossa cidade.

O geógrafo David Harvey nos diz que o direito à cidade é muito mais que a liberdade individual de ter acesso aos recursos urbanos: é um direito de mudar a nós mesmos, mudando a cidade. É um direito coletivo, cuja transformação depende do poder coletivo, da organização comunitária para remodelar os processos de urbanização. Para ele a liberdade de fazer e refazer às nossas cidades, e a nós mesmos é um dos direitos humanos mais importantes.

É possível estudar Olinda, analisar e diagnosticar seus principais problemas. É necessário debater, avaliar e propor mudanças coletivamente. Só assim podemos cuidar da cidade e das pessoas. Nós podemos juntas construir a Olinda que a gente quer.

Eugênia Lima
Mestra em Desenvolvimento Urbano
Presidente PSOL Olinda

MUITO IMPORTANTE TER VOCÊ COM A GENTE – Curta nossa página no Facebook. Siga nos no Instagram e participe do grupo no ZAP.

https://www.facebook.com/observatoriodeolinda Facebook

https://www.instagram.com/observatoriodeolinda/ Instagram

https://chat.whatsapp.com/DwrQyyqBxJAAfBJ5kcGJ1n WhatsApp

https://twitter.com/obsolinda Twitter

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/observatoriodeol/public_html/wp-includes/functions.php on line 4669