Skip to main content
Prefeitura de Olinda

DORMIR BEM AJUDA A EVITAR COVID-19

Em janeiro, Feixiong Cheng, um analista de dados da Cleveland Clinic, utilizou mecanismos de inteligência artificial no seu laboratório para procurar pistas escondidas na estrutura do vírus da Covid-19. O objetivo era prever como é que este invadia as células humanas, de forma a poder combatê-lo. Entre as suas observações, destacou-se uma: o vírus podia ser bloqueado pela melatonina.

A melatonina, também conhecida como hormônio do sono, não era um fator óbvio para combater uma pandemia. O seu papel mais conhecido é o da regulação dos nossos ritmos circadianos: a cada noite, à medida que cai a escuridão, a melatonina é enviada dos nossos cérebros para a corrente sanguínea, de forma a induzir o sono. No entanto, Cheng não levou a descoberta à sério, mas apenas como uma curiosidade, tendo em conta que os dados eram muito preliminares.

Foi apenas depois de publicar os seus estudos que Cheng foi contatado por cientistas de todo o mundo que também acreditavam que existia uma ligação entre a Covid-19 e a melatonina e que, além da função de regular o sono, esta também desempenha um papel fundamental no sistema imunitário: regula as respostas de autoproteção do nosso corpo, de forma a evitar cenários graves de doença – como acontece nos casos leves de Covid-19 que se transformam em casos graves.

Assim, Cheng e a sua equipe decidiram investigar mais a fundo o fenômeno da melatonina. Após meses de recolha de dados de pacientes, os resultados das análises voltaram a destacar a melatonina: as pessoas que estavam tomando o hormônio tinham probabilidades menor de contrair Covid-19, e ainda menos de morrer da doença. Paralelamente, em outubro, um estudo da Columbia University revelou que os pacientes intubados tinham maiores taxas de sobrevivência quando recebiam melatonina.

A importância do sono

Apesar dos resultados promissores das suas análises, Cheng disse à Revista The Atlantic que não recomenda que se comece a administrar imediatamente melatonina a todos os pacientes com Covid-19: a aparente ligação entre o hormônio e o vírus pode ser apenas um sinal de alerta para outra coisa que está a melhorar a condição dos doentes. Segundo o analista, o verdadeiro problema em questão pode não ser a melatonina em si, mas sim a função que esta controla: o sono.

Ao longo da pandemia, o departamento de neurologia da Johns Hopkins University recebeu várias queixas de pessoas que sofriam de insônias. Inicialmente, os neurologistas pensaram que estas se deviam a ansiedade causada pelo contexto pandêmico. No entanto, ao longo dos últimos meses, começaram a observar um padrão de maiores queixas de falta de sono entre pessoas que tinham se recuperado da Covid-19. Após recuperadas, estas pessoas queixavam-se de défice de atenção, fraqueza muscular, nevoeiro cerebral, dores de cabeça e insônias.

Apesar de este ser um processo imprevisível a longo prazo e de levantar uma série de questões aos investigadores, a teoria mais consensual entre os cientistas justifica estes sintomas neurológicos de longo prazo causados pela Covid-19 por inflamações variadas do cérebro atingidas pelo vírus.

Por sua vez, uma das funções principais do sono é regular os canais de comunicação celular no cérebro, ou seja, funciona como uma espécie de “anti-inflamatório”, que limpa o órgão ao remover determinadas substâncias que se acumulam ao longo do dia.

Sem sono, estas substâncias vão-se acumular e impedir a comunicação celular – como parece estar a verificar-se nas pessoas de sofrem de Covid-19 de longa duração. Um dos problemas da doença é precisamente este: o nosso corpo precisa de dormir para recuperar do vírus, mas as insonias são um efeito secundário do mesmo, causando um ciclo vicioso. Assim, o objetivo dos investigadores é descobrir como quebrar este ciclo, ou preveni-lo por completo.

Sendo assim, o sono é tão essencial como a distância social e a lavagem de mãos para prevenir o vírus da Covid-19. É precisamente por isso que a melatonina – ou outras abordagens que aumentem os efeitos potenciais do sono – pode ser importante. São cada vez mais os médicos que optam por uma terapia de suplementos de melatonina para curar os seus pacientes.

No entanto, a maioria dos cientistas concorda que a forma mais crucial para facilitar o sono não deve ser feita por via de medicamentos e suplementos, mas sim através da regulação dos ciclos de melatonina do nosso próprio corpo.

Este processo passa por construir rotinas no nosso dia-a-dia, com uma hora para dormir e acordar, assim como passeios programados, apanhar sol e evitar telas de celulares antes de ir dormir. Através destes mecanismos, cenários graves podem ser evitados – e, à semelhança de lavar as mãos, só depende de cada um de nós.

MUITO IMPORTANTE TER VOCÊ COM A GENTE – Curta nossa página no Facebook. Siga nos no Instagram e participe do grupo no ZAP.

https://www.facebook.com/observatoriodeolinda Facebook

https://www.instagram.com/observatoriodeolinda/ Instagram

https://chat.whatsapp.com/DwrQyyqBxJAAfBJ5kcGJ1n WhatsApp

https://twitter.com/obsolinda Twitter

https://www.youtube.com/channel/UCRiaMDDQmUXI-YJqzkl1VWw Youtube

Fonte: Jetts BR

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: