Skip to main content

CANDIDATA COM 2ª MAIOR VOTAÇÃO ENTRE MULHERES NÃO SE ELEGE VEREADORA

O sistema eleitoral brasileiro, que acabou se ser reformado, continua apresentando aberrações como a que acaba de acontecer em Olinda. A candidata Eugênia Lima (PSOL) obteve expressivos 2.876 votos, sendo a segunda mulher mais votada para a Câmara de Vereadores de Olinda, mas na “matemática eleitoral” não conseguiu se eleger.

Na contagem geral Eugênia ficou com a 8ª maior votação, superando numericamente a quantidade de votos dada a outros dez vereadores eleitos. E nem na suplência ficou.

Isto aconteceu porque o partido dela não fez o chamado “coeficiente eleitoral”, que é o número mínimo de votos somados por todos os candidatos daquela legenda para, a partir daí, se obter as vaga dos eleitos.

O assunto foi debatido ontem (16), durante a Live do Povo, promovida pelo Observatório de Olinda no Instagram – veja aqui https://www.instagram.com/p/CHq-I95KJQK/

“Acho que isto cria um sentimento de frustração muito grande nas pessoas que votaram nestes candidatos. É como se diz: Ganhou, mas não levou. Não acho isso democrático”, opinou o editor do Observatório, jornalista Pedro Tinoco, com a concordância do também jornalista Valdir Bezerra.

“No Recife também houve o caso de um candidato com mais de sete mil votos que viu outro com pouco mais de dois mil ocupar uma vaga”, lembrou Valdir, que defende a simplificação do processo com a eleição apenas dos mais votados. Seria mais justo.

MUITO IMPORTANTE TER VOCÊ COM A GENTE – Curta nossa página no Facebook. Siga nos no Instagram e participe do grupo no ZAP.

https://www.facebook.com/observatoriodeolinda Facebook

https://www.instagram.com/observatoriodeolinda/ Instagram

https://chat.whatsapp.com/DwrQyyqBxJAAfBJ5kcGJ1n WhatsApp

https://twitter.com/obsolinda Twitter

https://www.youtube.com/channel/UCRiaMDDQmUXI-YJqzkl1VWw Youtube

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: