Skip to main content

PREFEITURA FINALMENTE DESMONTA “BARRACA DO BARULHO” NA PRAIA

Demorou, mas a Prefeitura de Olinda finalmente atendeu ao clamor popular e tomou uma atitude contra a barraca que, há meses, infernizava a vida dos hóspedes do Hotel de Trânsito do Exército, dos frequentadores do Templo Budista e de centenas de moradores de edifícios residenciais da Avenida Ministro Marcos Freire, no Bairro Novo. Fiscais da Secretaria de Meio Ambiente e Planejamento Urbano começaram a desmontar a palhoça no início da noite de hoje (09).

A principal irregularidade que motivou a ação da prefeitura foi a insistência do comerciante em burlar a Lei do Silêncio. Após várias denúncias de moradores a fiscalização municipal chegou a notificar e apreender aparelhos de som da barraca por duas ocasiões, mas em pouco tempo o problema voltou a se repetir.

“Era como se ele desafiasse o Poder Público. A gente passava o dia inteiro ouvindo aquela zoada infernal. Ninguém podia descansar, estudar, assistir televisão, enfim. O dono da barraca deveria ter procurado respeitar o direito das pessoas. Ele zombava e fazia o contrário. A prefeitura está correta porque ele é reincidente. Não queria se adequar”, disse um morador da área.


PROBLEMAS – Um caminhão Munck ajudou na remoção da estrutura e o material que estava na barraca foi recolhido pela fiscalização. A ação contou com o apoio da Guarda Municipal e da Polícia Militar. “Quem trabalha correto não está sendo incomodado. Essa barraca estava cheia de problemas. Não resistiria a uma visita da Vigilância Sanitária, pois colocava em risco a saúde de quem tinha ‘coragem’ de consumir alimentos ali”, comentou um transeunte.

3 comentários em “PREFEITURA FINALMENTE DESMONTA “BARRACA DO BARULHO” NA PRAIA

  1. Uma atitude tardia, mas tomada. O que há em Olinda é uma falta de organização tremenda no disciplinamento dos comerciantes da areia da praia. Por que a maioria das praias tem suas barracas, seus quiosques, seus bares, até suas palhoças organizadas e seguindo um padrão e Olinda é esse furdunço? Ano passado recebi um casal de amigos que moram longe, a primeira coisa que pediram foi para dar um passeio na orla, temendo as inúmeras “navalhas” deixadas pelos animais que lá circulam, a fedentina do calçadão, a praga dos pombos e a maloqueiragem, os levei para Boa Viagem. Gostaram de lá.

  2. Já não era sem tempo. Boa medida, embora só resolva uma parte do problema. Além de coibir ações como essa desse barraqueiro, a prefeitura deveria também trabalhar no sentido de padronizar os quiosques e/barracas da beira mar a fim de tornar a orla mais agradável à vista, evitando a favelização.

  3. Uma unica coisa que gostaria de ter visto, a cara desse otário na hora da demolição. Certamente é um desses vagabundos que tem apoio de algum deputadinho ou edilzinho municipal e fica “botando banca”. Tua hora chegou imbecil. Coloca a porcaria de tua barraca em alto mar. Com certeza não pagava nenhum imposto, na barraca ou na moradia, sai do buraco de favela, pra perturbar os que pagam IPTU caríssimo na orla.

Deixe uma resposta