Skip to main content

FALOW & DISSE: “Juiz ladrão, NÃO!” – Kildare Johnson

Senhoras e Senhores observadores,

Cada vez mais tenho a certeza de que Deus comanda TUDO, Ele TUDO Sabe, Ele sempre põe as pessoas certas nos lugares certos, por isso evito repetir a frase que diz: “A pessoa estava na hora errada, no lugar errado”. NÃO. Todos estamos exatamente no lugar que Deus nos concede e permite que estejamos!

Alguns estão para serem testados, uns para melhorar, outros para dar exemplos de como se deve ser, há os ESCOLHIDOS e uns até para testar a paciência dos que lhe rodeiam. No caso específico do Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública (MJSP), o Doutor Sérgio Fernando Moro, trata-se de alguém que possui um misto de preparo com boa educação e fidalguia, somados a tranquilidade de quem está com a VERDADE, uma invejável paciência e que, portanto, jamais entrará “na pilha” dos cretinos.

O Ministro, que está claramente sendo vítima de “CYBERTERRORISMO”, por vazamento de supostas mensagens obtidas por meios criminosos e que, portanto, se verdadeiras, certamente foram manipuladas, foi convidado para ir ao Senado. Lá foi achincalhado, ouviu mentiras a seu respeito e até da sua esposa de forma descarada.

Ainda assim respondeu paciente e educadamente às perguntas capciosas de forma reiterada, por senadores como Renan Calheiros, Lídice da Matta, Eduardo Braga, Humberto Costa, alvos de investigações da Operação Lava Jato, este último tendo sido bastante ofensivo quando o questionou.

Na última semana, lá foi o Doutor Sérgio Moro, desta vez para a Câmara dos Deputados. Pensei comigo: “Vai prestar”, e “prestou”! O nível de perguntas foi tão baixo quanto a postura, o desequilíbrio, que por vezes levou alguns parlamentares dos partidos de esquerda aos berros.

Foram perguntas capciosas e ao mesmo tempo muito mal formuladas, repetitivas, numa cantilena, cujo intuito era deslegitimar o Ministro em sua condição de ex-juiz e o Procurador Deltan Dallagnol, pedindo quase implorando a sua saída da Pasta do MJSP, além da tentativa frustrada desqualificar o seu brioso trabalho, chancelado pelas instancias superiores.


E pior: sendo o Ministro, tal qual no Senado, interpelado por parlamentares investigados e réus em ações penais por corrupção e lavagem de dinheiro, numa lastimável inversão de valores, difícil até de explicar para uma criança de 11 anos, como minha filha, bastante interessada pelo Direito e que, ao me questionar, fiz uma explanação retrocedendo para 1985 até 2018.

Como se isso não bastasse, o deputado do PSOL, o Sr. Glauber Braga, ofendeu o Ministro Sergio Moro, o chamando de (sic) “juiz ladrão”, de forma desrespeitosa e vil, se escondendo atrás da imunidade parlamentar, esquecendo que quem sucateou o país, “matou” milhares de pessoas por falta de atendimento e medicamentos, quem financiou ditaduras “cucarachas” e africanas com o nosso dinheiro, quem contou com a cumplicidade de criminosos e narcotraficantes das Farc e surrupiou 500bi, isso mesmo: R$ 500 BILHÕES, MEIO TRILHÃO DE REAIS do BNDES para o seu sórdido projeto de poder e ainda ROUBOU os próprios COMPARSAS, como afirmou o ex-Ministro Antônio Palocci em sessão no Congresso, também na semana passada, na CPI do BNDES, está preso em Curitiba.

A VERDADE é que há uma manobra CRIMINOSA do tal “intercePT”, aparentemente envolvendo coisas escabrosas e políticos, que foi e está sendo orquestrada pelo crime institucionalizado que muito em breve entrará em colapso, pois assim querem os brasileiros do bem que por vários domingos, já que trabalham a semana inteira, foram as ruas, sendo o último dia 30/06 (domingo passado) uma das maiores manifestações em apoio ao Doutor Sérgio Moro e a Reforma da Previdência, contra a qual os esquerdosos lutam, pois sabem que é o propulsor que resta para a decolagem do nosso país rumo a se tornar uma grande Nação, e a eles não interessa que o Brasil, que em Osaka fechou o acordo Mercosul/União Europeia, dê certo; Isso os desespera.

Por fim, eis o resumo do Ministro Sérgio Moro das vezes que foi interpelado pelo parlamento. Será sempre este o seu proceder e parecer, pois a VERDADE é uma só: “… a INCONSISTÊNCIA das supostas mensagens com os fatos DOCUMENTADOS indica a possibilidade de ADULTERAÇÃO do conteúdo TOTAL ou PARCIAL delas.” (grifo nosso)

Kildare Johnson – Mediador Judicial – Árbitro – Palestrante motivacional. Escreve aos domingos no Observatório de Olinda.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: