Skip to main content

FIM DAS ATIVIDADES NO LIXÃO DE AGUAZINHA CAUSA ALÍVIO E APREENSÃO

O Aterro Sanitário de Aguazinha – até pouco tempo chamado de Lixão – sempre foi um escárnio, uma mácula para Olinda. Nos anos 90 a cidade foi manchete em jornais do mundo todos após denúncia de que pessoas que trabalhavam no local se alimentariam de carne humana e ratos. Ontem (08) os órgãos ambientais do Governo do Estado e a Prefeitura de Olinda anunciaram o fim das atividades no local. A decisão de fechar o aterro trouxe alívio com o fim de um capítulo macabro da história da cidade, mas também apreensão para os catadores que trabalham no local, alguns há mais de 30 anos.

Hoje a Secretaria de Meio Ambiente de Olinda, em conjunto com outras secretarias municipais, iniciou um processo de capacitação dos mais de 70 trabalhadores cadastrados. O objetivo da inciativa, oferecida gratuitamente, é inseri-los em grupos organizados, como a Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis (Coocencipe). A equipe de Educação Ambiental da prefeitura irá disponibilizar capacitação nas áreas de coleta seletiva, eco empreendedorismo ambiental, oficinas de agricultura familiar, entre outros treinamentos.

A resposta da prefeitura veio após protestos dos catadores que temiam perder a única fonte de renda. A atual gestão garante que desde o início do ano vem articulando a aletrnativa de sobrevivência para os catadores junto à Coocencipe. “É importante essa parceria para incentivar o emprego e renda e destinar materiais recicláveis em locais apropriados”, ressalta o coordenador da instituição, Mauro Paulino.


O Governo Municipal vai oferecer também atendimento aos filhos dos catadores para cadastrá-los, posteriormente, em programas sociais, como o Bolsa Família. “Nossa ideia aqui é levar serviços para os catadores e deixá-los amparados para se tornarem empreendedores e também atendimento à saúde dessas pessoas que viviam em situações mais vulneráveis trabalhando no aterro”, explicou o diretor de Planejamento de Educação Ambiental, Cristiano Carrilho.

O monitoramento do trabalho de preparação dos catadores será realizado por dirigentes das Secretarias de Meio Ambiente; Desenvolvimento Social, Cidadania e Direitos Humanos; Serviços Públicos; Saúde e de Educação.

Deixe uma resposta