Skip to main content
Blog Observatório de Olinda

ESPOROTRICOSE FELINA – DOENÇA DO GATO TAMBÉM ATINGE O HOMEM

Esporotricose Felina – doença que apresenta micose subcutânea causada pelo fungo Sporothrix schenckii e que afeta a pele e os vasos linfáticos, podendo atingir ossos, pulmões e articulações de gatos – está no foco do Centro de Vigilância Ambiental de Olinda (CEVAO).

No início da semana o órgão recebeu a visita de veterinários dos municípios de Caruaru, Igarassu e da Secretaria Estadual de Saúde. Os profissionais trocaram experiências e conheceram o trabalho desenvolvido no CEVAO na prevenção e combate a doença. Olinda é pioneira na notificação de casos.

A doença atinge várias espécies animais, incluindo cães e seres humanos. A contaminação ocorre através de feridas com materiais contaminados pelo fungo, como espinhos ou outros corpos estranhos penetrantes. Pulgas e formigas são vetores.


NÓDULOS – A transmissão pode ocorrer, ainda, pelo contato direto com feridas contaminadas ou por arranhões e mordeduras de um animal portador do fungo. Os sinais mais comuns da doença são lesões de pele ulceradas com secreção transparente ou sanguinolenta, podendo haver também pequenos nódulos de 1 a 3 centímetros (granulomas).

Para se proteger do fungo, que também pode contaminar seres humanos, o contato com gatos suspeitos de estar com a doença deve ser feito sempre com luvas. Em casos avançados pode ser necessário sacrificar o animal, mas normalmente as medicações disponíveis atualmente garantem sucesso na grande maioria dos tratamentos.

Um comentário em “ESPOROTRICOSE FELINA – DOENÇA DO GATO TAMBÉM ATINGE O HOMEM

  1. infelizmente, tal como acontece com a saúde dos miseráveis deste país(se quiser ser eufemista chame de pobres), os gatos de rua morrerão num redemoinho de agonia e dor, não bastasse sua sina. a esporotricose exige tratamento de médio a longo prazo – três meses, no mínimo, a depender da condição do animal e da fase da doença – com a medicação itraconazol, que custa cerca de 30 reais(15 comprimidos), aplicados para gatos de médio a grande porte a razão de dois comprimidos por dia, o que dá uma conta que muitos proprietários não tem condições de suportar, e que os leva a interromper o tratamento no momento do “fechamento das feridas”, o que é fatal, pois a esporotricose volta se não for tratada pelo tempo necessário. é importante sublinhar que a esporotricose está se tornando praticamente uma endemia – repetindo o que já aconteceu noutros estados, e noutros tempos. eis mais uma razão porque a castração é tão importante mas que assim não é considerada pela vigilância animal não só de olinda, o que nos leva de volta ao parágrafo inicial: se o governo não cuida da saúde dos miseráveis humanos, porque cargas d´água haveria de cuidar dos desafortunados gatos(animais) de rua ?

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: